Notícias

10 / dez

Saiba a diferença entre diabetes tipo 1 e tipo 2

Diabetes representa um grupo de doenças caracterizado pela insuficiência de insulina no corpo, seja por decorrência de má absorção, produção insuficiente ou nenhuma produção do hormônio. A insulina é responsável pela regulagem dos níveis de glicose no corpo e, quando insuficiente, ocorrem graves picos de açúcar no sangue que podem representar grande risco à saúde. Diabetes não tem cura mas tem eficientes métodos de controle, desde que seja mantido monitoramento constante. Quadros negligenciados podem levar à morte.

 

Existem cerca de 387 milhões de diabéticos no mundo, sendo 13 milhões concentrados no Brasil. Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde apontou um crescimento de mais de 60% no número de diabéticos brasileiros no recorte de tempo entre 2006 e 2016, acompanhando também o aumento da obesidade no país. Especialistas temem que o Diabetes tipo 2 seja a próxima epidemia global, por seu rápido alastramento e difícil controle em alguns grupos de pacientes.

 

Você conhece as diferenças entre o diabetes tipo 1 e tipo 2? Entenda as especificidades de cada quadro para saber como cuidar melhor de sua saúde:

 

DIABETES TIPO 1

 

O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, crônica e não transmissível, onde o sistema imunológico do paciente equivocadamente ataca o próprio pâncreas (mais especificamente as células beta). Estas células desempenham a produção de insulina ao detectar picos de glicose no organismo. A insulina é o hormônio que controla o índice glicêmico do sangue, direcionando a glicose como combustível para as atividades do corpo ou, quando excessiva, armazenando-a em forma de reserva (gordura). 

 

O tipo 1 do diabetes mellitus se manifesta majoritariamente entre crianças e adolescentes e representa de 5 a 10% de todos os casos de diabetes. O ataque ao pâncreas leva ao acúmulo permanente de açúcar no sangue, que pode ter graves consequências como lesões e obstruções nos vasos sanguíneos, falência renal, danos na retina e até gangrena. Os sintomas manifestados envolvem vontade frequente de urinar, fome e sede constantes, visão embaçada, fadiga e náuseas, e o tratamento exige o fornecimento artificial de insulina na corrente sanguínea.

 

DIABETES TIPO 2

 

Representando cerca de 90% dos diagnósticos de diabetes, o diabetes mellitus tipo 2 é o quadro de excesso de glicose no sangue por decorrência da produção insuficiente ou má absorção de insulina, oferecendo ao corpo uma dosagem do hormônio que é pequena demais para regular a taxa glicêmica do indivíduo. Este quadro está intimamente relacionado à obesidade, que por sua vez está relacionada a hábitos alimentares que elevam os níveis de açúcar no organismo. 

 

Ao contrário do tipo 1, o diabetes tipo 2 é mais frequente em adultos, mas os sintomas e complicações possíveis quando o tratamento não é administrado corretamente são bem similares. Também não possui cura mas é altamente controlável, possibilitando um estilo de vida normal ao paciente. Se no tratamento do diabetes tipo 1 a aplicação de insulina se faz necessária, no tipo 2 nem sempre é preciso administrar doses do hormônio. O principal para estes pacientes é adotar um estilo de vida mais saudável, com alimentação balanceada rica em fibras e cereais, prática regular de exercícios físicos e dieta restritiva com açúcares.

 

Deixe seu comentário