Notícias

03 / set

Infecção urinária: causas, sintomas e tratamentos

Chamamos de infecção urinária o quadro infeccioso despertado pela presença anormal de microorganismos nocivos na região do trato urinário – seja na bexiga, uretra, rins ou ureteres. Trata-se de um problema muito comum, que totaliza cerca de 2 milhões de diagnósticos anuais no Brasil e é especialmente frequente entre a população feminina: estima-se que 30% das mulheres terá algum episódio de infecção urinária ao longo da vida; as mulheres são 50 vezes mais propensas a desenvolver o quadro do que os homens, por decorrência da anatomia feminina.

TIPOS E CAUSAS

Existem três principais tipos de infecção urinária:

Cistite: é a infecção causada pela presença de bactérias na bexiga. Em grande parte dos casos, se trata de uma bactéria nativa do trato gastrointestinal, que migra facilmente graças à curta distância entre o ânus e a uretra e entre a abertura da uretra e a bexiga das mulheres. O ato sexual é o principal meio de transporte de tais bactérias até a bexiga – entretanto, pessoas sexualmente inativas também podem desenvolver cistite através de outros comportamentos (como passar o papel higiênico no sentido do ânus para a vagina, por exemplo).

Uretrite: é a infecção da uretra (canal que leva a urina da bexiga para fora do corpo), causada também pela presença de bactérias naturais do trato gastrointestinal. Suas causas são similares às da cistite mas, como a uretra feminina encontra-se ainda mais próxima da vagina do que a bexiga, outros fatores como herpes, clamídia ou gonorreia podem iniciar o quadro.

Pielonefrite: é a infecção renal geralmente resultante de um quadro prévio de cistite ou uretrite, que permite o deslocamento das bactérias que adoecem a bexiga/uretra para os rins. Pode ser considerada uma complicação quando comparada a infecções urinárias comuns e, quando não tratada adequadamente, pode gerar danos permanentes aos rins ou até iniciar uma infecção potencialmente fatal se as bactérias se espalharem pela corrente sanguínea.

FATORES DE RISCO

O fator que mais propicia a ocorrência de infecção urinária é ser do sexo feminino, graças à anatomia que facilita a migração inadequada de bactérias gastrointestinais para o trato urinário. Mulheres sexualmente ativas são grupo de alto risco, bem como as que estão passando pela menopausa (graças a alterações nos níveis de estrogênio e na quantidade de microrganismos que oferecem proteção natural à vagina). Mulheres em idade reprodutiva que fazem uso de espermicidas também estão mais propensas.

Fatores biológicos que facilitam a infecção urinária para ambos os sexo incluem histórico de bloqueio no trato urinário (como pedras nos rins) e perfil imunológico suprimido (com frequente ocorrência de infecções por inibição das células de defesa). Quanto aos fatores de risco comportamentais, é importante citar o uso de fraldas (especialmente geriátricas, que umidificam e abafam a região e facilitam a proliferação bacteriana, combinadas à natural queda da imunidade provocada pelo envelhecimento), e os hábitos de segurar a urina por longos períodos, beber pouca água e negligenciar a higiene íntima.

SINTOMAS

Ardência ao urinar, dores na região baixa do abdômen e vontade constante de urinar (mantendo sempre a sensação de que a bexiga não foi completamente esvaziada) são os sintomas clássicos da infecção urinária. Também pode haver mudança no cheiro (mais forte) e coloração da urina (mais escura ou com presença de sangue), incontinência urinária, dor na pélvis ou no reto. Os sintomas de infecção urinária tendem a iniciar de maneira branda, com persistência de um desconforto leve de 2 a 3 dias, mas quando evoluem podem causar dores de alta intensidade.

TRATAMENTOS

Como cada tipo de infecção urinária pode ter causa e nível de gravidade distintos, só é possível estabelecer o melhor tratamento diante de análise específica de cada quadro. Em geral, são administrados antibióticos para combater as bactérias nocivas ao trato urinário. Em alguns casos, o uso de analgésicos se faz necessário para aliviar o desconforto.

Quando a sensação de infecção urinária é identificada ainda nos estágios iniciais, é viável tentar impedir o avanço do quadro fazendo uso de tratamentos caseiros. Beber grandes quantidades de água ao longo do dia é medida obrigatória para quem está começando a sentir desconforto ao urinar, pois é possível expelir as bactérias caso uma grande quantidade de urina seja eliminada. Comer melancia também é recomendado, graças ao seu elevado poder de hidratação. Suco de cranberry, chá de aroeira, manjericão ou carqueja carregam propriedades específicas que ajudam no combate às bactérias danosas. Sempre fazer xixi após o sexo é uma excelente maneira de limpar a uretra e impedir a proliferação de bactérias que podem ter entrado durante o ato. Evitar duchas vaginais, utilizar o papel higiênico sempre de frente para trás e não segurar o xixi quando sentir vontade de urinar também são medidas de grande ajuda.

Deixe seu comentário