Notícias

29 / nov

5 doenças que afetam mais os homens

Dadas as diferenças anatômicas e hormonais entre os sexos, o cuidado com a saúde masculina é bastante diferente da atenção à saúde das mulheres – sendo assim, cada grupo deve buscar acompanhamento médico especializado para tratar das especificidades de seus corpos. O problema é que, entre os homens, cuidar da saúde física ou mental ainda é um grande tabu. A negligência com consultas de rotina e exames preventivos, bem como com hábitos de vida saudáveis, faz com que os homens adoeçam mais do que as mulheres. Acabar com este preconceito é viver com mais qualidade de vida e investir num futuro saudável e cheio de disposição.

Conheça agora 5 doenças que afetam mais os homens do que as mulheres:

PROBLEMAS CARDIOVASCULARES

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença cardiovascular é a maior causa de mortalidade no mundo entre ambos os sexos – entretanto, a incidência entre a população masculina é ainda mais expressiva do que entre as mulheres, especialmente em homens de até 50 anos de idade. A medicina atribui tal fato aos fatores de risco da doença: colesterol alto, diabetes, obesidade, alcoolismo, tabagismo e sedentarismo, que costumam ser mais frequentes entre os homens. Além disso, a incidência da doença cardiovascular em mulheres aumenta após a menopausa – o que leva a crer que os hormônios femininos (estrogênios) oferecem proteção extra ao coração e vasos sanguíneos das mulheres jovens, por influenciarem no funcionamento do metabolismo lipídico e do sistema cardiovascular.

CÁLCULO RENAL

Também conhecido como pedra no rim, o cálculo renal consiste na formação de cristais nos rins e canais urinários, que provocam dor intensa ao se movimentarem durante o processo de expulsão. Os cálculos renais são mais comuns entre os homens do que entre as mulheres e, novamente, parece haver influência do fator hormonal feminino. Os estrogênios atuam na diminuição da excreção de cálcio pelos rins, reduzindo as chances de formação de cristais. Entretanto, fatores comportamentais também influenciam no surgimento de pedras nos rins: alimentação rica em sódio e ingestão insuficiente de água são grandes facilitadoras do processo.

PNEUMONIA

Apesar da similaridade nas características biológicas referentes ao pulmão, os homens são mais propensos à pneumonia do que a população feminina. Pesquisas na área de pneumologia indicam que a incidência de morte por pneumonia é 10% menor entre as mulheres – porque, em geral, elas possuem um melhor controle das doenças crônicas e são menos resistentes às opções terapêuticas.

APNEIA DO SONO

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono consiste em breves interrupções da respiração durante o sono, que provocam ronco alto e comprometem a qualidade do sono. O quadro está, na maioria dos casos, associado ao excesso de peso, e a diferença na distribuição de gordura entre os corpos dos dois sexos influencia na grande quantidade de homens afetados. O padrão de distribuição de gordura masculino favorece a concentração lipídica no abdômen e no pescoço, que contribui para a redução da capacidade de expansão pulmonar e para o estreitamento das vias respiratórias. A aparição da apneia do sono entre mulheres também aumenta após a menopausa – o que sugere, novamente, a ação protetora dos hormônios femininos.

ALGUNS TIPOS DE CÂNCER

O desenvolvimento de tumores malignos na região do pulmão, dos brônquios e da traquéia é mais frequente entre a população de homens. Tal fato é associado ao principal fator de risco comum aos três tipos de câncer: o tabagismo – que, a nível global, permanece sendo um hábito predominantemente masculino. A relação entre mutações do cromossomo Y (presente somente no gene masculino) e aumento da probabilidade de câncer está sendo avaliada, mas conclusões efetivas ainda não foram alcançadas.

Deixe seu comentário